sábado, 28 de março de 2015

Calmaria

Sentado sozinho na área da casa de minha tia, observando o céu, entre tragos e pensamentos, percebo o quão nossa visão é limitada em comparação à nossa mente. Com os olhos observo a imensidão negra que é o céu a noite, porém com minha imaginação posso ir bem mais além, passando pela astrologia e pela astronomia, pela possibilidade de vida fora da terra, e pelo quanto somos seres pequenos, e o quanto tudo é encantador. 

Não é preciso sair do lugar para viajar pelo universo, o tamanho do mesmo não se compara a nada a não ser nossa imaginação. As possibilidades são imensas, e a lógica e razão não são necessárias, argumentos são dispensáveis, afinal, são desnecessários. 

Observo uma única estrela em meio aquela imensidão noturna, ela não se ofusca por menor que seja. Tão pequena e encantadora. Brilha sem se importar com detalhes a mais. E imagino que de lá ela observa um garoto solitário e pensativo em meio à tanta baderna, sentado em uma cadeira velha em meio sua própria calmaria viajando em seus pensamentos. E no fundo, ele sabe nunca se está realmente sozinho.

Autor: David Alves Mendes

quinta-feira, 26 de março de 2015

Eu, minha vida, e só

Se eu tenho culpa de ser como eu sou, não sei, posso não ter ou até ter, mas também tenho orgulho, me orgulho de viver de cabeça erguida sobre vitórias e derrotas. Não sei se meus pais se orgulham de mim, porém eu me orgulho, e eles deveriam se orgulhar de eu buscar ser o que realmente sou, e não usar uma máscara para tentar agradar todos ao meu redor esquecendo de si mesmo.

Apenas mais um adolescente meio rebelde, meio revoltado, meio frustrado em uma constante busca por uma razão para viver, com minhas felicidades e depressões efêmeras, baseadas em momentos de prazer ou dor. Talvez incompreendido, mas me compreendo no fundo, nasci sozinho e posso morrer sozinho, por mais que seja dolorosa a solidão.

O meu destino é um volante que está as minhas mãos, mas também depende do acaso, do que alguns chamam de sorte, quem sabe uma pedra no caminho mude meu rumo para melhor. O otimismo anda lado a lado com o pessimismo, o futuro sou eu quem crio, porém  as vezes é difícil lidar com o presente, mesmo que em alguns momentos pareçam fáceis, em meio a uma estrada de bipolaridade vou dirigindo minha vida.

Autor: David Alves Mendes

quarta-feira, 25 de março de 2015

Daí a menina cai na onda de um moleque e se apaixona enquanto ele usa ela e depois larga, depois disso a menina passa a odiar todos os homens e se torna pseudo-feminista, distorcendo toda a ideia do feminismo pregando o ódio contra os homens.

Primeiramente, um homem não ilude uma mulher, pelo contrário, só promete o que vai cumprir. Segundo, se ele iludiu, não merece ser chamado de homem, e sim de moleque. E por último, se a garota foi ingênua ao ponto de acreditar em um papo furado qualquer, motivada apenas por um rostinho bonito, tem que ser mulher e madura o suficiente para assumir sua culpa na história. Não estou generalizando nada, assim como ninguém deve generalizar.

Autor: David Alves Mendes

segunda-feira, 16 de março de 2015

Verdades que guardo comigo


















Um livro de poesias, mas não se prende a rótulos, contém muitos escritos um pouco pessoais, e apesar de ser um livro pequeno, é bastante significativo. Com olhos de um poeta observando o mundo, retrata um pequeno espaço da realidade à sua volta.

Finalmente depois de uma longa espera, porém efêmera, lançarei meu primeiro livro.

Clique aqui para conferir o evento.

quarta-feira, 4 de março de 2015

O amor tem gosto de felicidade, não precisa prová-lo para saber

Um sentimento para ser verdadeiro não precisa ser demonstrado ou provado mas apenas ser sentido, pode não fazer sentido, mas não é para fazer mesmo, o amor não tem explicação definida, assim como a felicidade, e ambos andam juntos de mãos dadas nessa longa estrada chamada de vida.

Essa estrada é complicada, cheia de lombadas, buracos, altos e baixos, porém fomos feitos para superar tais obstáculos e muitos outros, isso sem perder o foco e o ânimo, pois coisas ruins acontecem, mas as boas também, e sempre compensam.

Um sentimento de amor, por exemplo, é algo eterno, algo que lhe contagia, te torna diferente, talvez mais sincero, pois sinceridade é tudo, ao contrário do ódio, que na verdade é um ressentimento, cheio de pontos negativos consome sua alma, e ambos são sentimentos que você não pode provar de uma maneira concreta, mas com certeza pode senti-los.

Você pode beijar alguém para demonstrar seu amor, ou socá-la para demonstrar seu ódio, mas está apenas realizando uma ação corporal, uma ação física que está longe de mostrar o que você verdadeiramente sente. O amor tem gosto de felicidade, não precisa prová-lo para saber. Sentir é o começo, o começo do fim de determinadas ações, ou quem sabe o fim do começo, para uma vida inteira.

Autor: David Alves Mendes

terça-feira, 3 de março de 2015

david alves mendes, terror


"O medo te trava,
mas ao mesmo tempo te move,
só resta você escolher como vai usá-lo"

Um rap com rimas um pouco mais curtas e sombrias.

Confira clicando aqui.